Estudo de caso

Um novo enfoque estratégico agiliza o crescimento de um líder de mercado

Em todas as regiões do mundo, energia renovável é uma história de crescimento. Quase US $1,5 trilhão foi investido em energias renováveis nos últimos cinco anos, adicionando mais de 1 milhão de megawatts de nova capacidade. Porém, ainda estamos nos estágios iniciais de uma transição de longas décadas dos combustíveis fósseis para as fontes renováveis.

Adquiridas por US $1,4 bilhão em 2017, as empresas TerraForm reforçam nossa posição de liderança global em energia renovável, adicionando um portfólio de 3.600 megawatts de ativos operacionais eólicos e solares à nossa plataforma, expandindo nossa pegada de energias renováveis em nossos mercados principais e estabelecendo plataformas operacionais em novos mercados com crescimento elevado, como Índia e China. 

Após a aquisição, privatizamos a TerraForm Global e a integramos ao nosso portfólio existente, enquanto a TerraForm Power continua sendo uma empresa de capital aberto patrocinada pela Brookfield. 

O interesse global em energia renovável normalmente leva a transações buscadas com mais entusiasmo do que disciplina, resultando em valorizações maiores e retornos menores. Com a transação da TerraForm, a Brookfield manteve a abordagem disciplinada referente ao investimento: comprar ativos com base no valor, aproveitar o nosso conhecimento operacional e seguir uma abordagem prudente em relação ao capital.

A aquisição da TerraForm aproveita os pontos fortes da Brookfield: acesso imediato a capital em larga escala e possibilidade de gerenciar e operar de maneira eficiente uma frota global diversificada, bem como a capacidade de criar uma solução personalizada que atendesse às necessidades de um grupo complexo de stakeholders após a falência do antigo patrocinador das empresas TerraForm.

Em uma fornalha de arco elétrico, os eletrodos de grafite conduzem corrente elétrica em altíssima tensão para derreter o refugo de aço a temperaturas próximas de 3.000 graus Fahrenheit. A produção de aço em forno de arco elétrico é mais rápida, mais resiliente e mais ecologicamente correta do que a produção de aço por alto-forno. Trata-se do segmento que mais cresce no setor de aço atualmente.

Adquirida por US$ 1,25 bilhão em 2015, a GrafTech estava apresentando ganhos insatisfatórios e enfrentando uma queda severa no setor de aço. Durante a due diligence, a Brookfield identificou melhorias específicas na produção e oportunidades de posicionamento estratégico, especialmente com a aquisição pela GrafTech da Seadrift Coke, um produtor e fornecedor líder de coque agulha de petróleo, essencial na fabricação de eletrodos de grafite.

GrafTech Video

GrafTech, EUA — Líder no fornecimento da indústria siderúrgica, a GrafTech fabrica eletrodos de grafite

"Tínhamos a convicção de que a produção de aço em forno de arco elétrico continuaria oferecendo participação de mercado frente à produção tradicional em alto-forno. Sentimos que poderíamos oferecer nossa experiência operacional para agregar um valor significativo para a empresa."

US$ 100 milhões em reduções de custo

Durante um período de dois anos e meio, a Brookfield conseguiu reposicionar a GrafTech, vendendo ativos secundários e se concentrando no ramo primário de eletrodos. A fabricação foi consolidada e a produtividade aumentou a ponto da GrafTech passar a produzir mais nas três unidades do que conseguia anteriormente nas seis unidades e economizando US$ 100 milhões. As melhorias continuas no desempenho e a ênfase na qualidade do produto motivaram uma maior satisfação por parte do cliente.

Atualmente, a GrafTech mantém unidades que estão entre as maiores instalações de produção de alta capacidade do mundo em Pamplona, na Espanha, em Calais, na França e em Monterrey, no México. A capacidade da empresa está preparada para aumentar por meio de melhorias operacionais contínuas.

GrafTech

Eletrodos de grafite têm 25 a 30 cm de diâmetro e podem ter comprimento de até 2,7 m. Demora seis meses para serem fabricados, em um processo de diversas etapas que exige significativa competência técnica e uma matéria prima chamada coque agulha de petróleo. A GrafTech é a única produtora de eletrodos de grafite que produz se próprio coque agulha, uma vantagem competitiva significativa.

GrafTech
US$ 1,2 bilhão EBITDA 2018

Nosso apoio financeiro ofereceu estabilidade imediata para as empresas. Damos estabilidade adicional reestabelecendo relações com reguladores e stakeholders para garantir operações ininterruptas. 

No fechamento, trouxemos nossa própria liderança e começamos a migrar os funcionários para escritórios em nossos principais mercados. 

Colocamos equipes de crescimento na Índia e na China, enquanto reciclávamos capital de ativos não fundamentais para financiar o crescimento em mercados-chave. Em 2018, aumentamos nossa participação na TerraForm Power de 51% para 65%, financiando a aquisição da Saeta Yield, um portfólio de 1 gigawatt de ativos operacionais eólicos e solares na Europa Ocidental. Também anunciamos a venda de nossos portfólios não fundamentais na África do Sul, na Tailândia e na Malásia.

Futuramente, nossas prioridades continuarão sendo economizar e continuar iniciativas de contratos comerciais, garantindo contratos de compra de energia de longo prazo para aumentar o fluxo de caixa ao mesmo tempo em que construímos nosso canal de desenvolvimento significativo com retornos consideráveis.

"Atualmente, a GrafTech opera o que acreditamos ser o portfólio mais competitivo de instalações de fabricação de eletrodos de grafite de baixo custo em qualquer lugar. A empresa jamais esteve tão concentrada, eficiente e mais bem posicionada para crescimento."